quarta-feira, 11 de julho de 2012

O  KybalionO  Kybalion, uma das fontes inexauríveis  do saber, no Egito Antigo, é realmente um arquivo, uma coletânea dos princípios básicos  da  Ciência  Hermética. 
Nele está condensada a totalidade dos conhecimentos que os atlantes legaram aos ameríndios  e estes aos indianos que os transmitiram, mais tarde, aos egípcios, mestres dos Gregos, por sua vez, mestres dos Romanos. Nessa Enciclopédia Religiosa,Filosófica e Científica, fala-se  das leis do Absoluto, isto é, das sete leis do Kybalion.  E destes sete princípios fundamentais da velha SABEDORIA INTEGRAL, levados à Índia pelos  Maia-Quichés,  que  me  vou  ocupar,  rápida e sumariamente, no presente artigo. 

“Tudo é pensamento.  Tudo é espírito.  O espírito é tudo.”
É a primeira lei do Kybalion.  A lei do mentalismo, como dizem os livros contemporâneos.  
De  fato, no Universo, em toda a natureza e em todos os seres, só o ESPÍRITO  é evidentemente imutável, porquanto, a mutabilidade da matéria  (MAYA) é um fenômeno cósmico e biológico, ao inteiro alcance dos nossos sentidos físicos. 
Esta é a lei primordial e dela, com efeito, derivam todas as outras.


“O que está em cima é análogo ao que está em baixo”.
Assim estabelece a segunda lei, uma das mais conhecidas da Ciência Hermética.  É a lei de analogia, de relatividade, a lei universal dos semelhantes, que permitiu aos sábios desse remotíssimo passado partir, com  segurança, do conhecido para o desconhecido e do visível para o invisível.
Foi esta lei que facultou, ao entendimento humano, a concepção nítida de muitas verdades que, ainda hoje, escapam à percepção vulgar da humanidade.  Foi esta lei que deixou entrever as equivalências  existentes entre o infinitamente pequeno e o infinitamente grande e conduziu esses sábios, que não dispunham da complicada aparelhagem dos laboratórios hodiernos, a afirmarem que os sistemas atômicos são  análogos  aos sistemas  astronômicos. 
Foi esta lei que fez Pitágoras dizer aos seus discípulos “conhece-te a ti  e conhecereis  os  Deuses   e  o  Universo”  
Foi esta lei, ainda, que revelou o conhecimento exato da constituição do homem e dos respectivos planos do universo, porque, como ensina a velha sabedoria integral, “o Visível é a condensação do Invisível “.
Esta verdade é, absolutamente incontestável.

“Tudo vibra, postula a terceira lei “.
A própria Ciência Oficial, através dos seus clássicos processos positivos, concluiu que Matéria, Energia, Vida, Luz Pensamento e todos os fenômenos psíquicos e para-psíquicos, como denomina as manifestações do Espírito, resultam da propagação de ondas ou movimentos rítmicos e cíclicos  do éter (tatwas), como os indianos cognominam as vibrações do  AKASHA , o éter  amorfo,  a  matéria  pré-cósmica . 
Não  há  nada  imutável nas amplidões do infinito manifestado.  Os átomos, como os astros, o infinitamente pequeno, como o infinitamente grande, não  escapam ao dinamismo  cósmico,  ao  transformismo  universal. 
Desta grande lei procedem as forças de atração e repulsão, que, conforme o meio em agem, é  coesão  ou  expansão,  amor  ou  ódio. 
Do estudo minucioso desta lei apuraram os Mestres da Sabedoria Integral que “As vibrações harmônicas associam-se mutuamente e que a repetição dessas vibrações aumentam-lhes,  de modo incalculável,   o grau  de  potencialidade  e  de  expansão “.
A  música  reafirma o acerto desta proposição.  A música  e a vocalização perfeita  de  certas  sílabas  ou  palavras. 
De fato, as vibrações orais, os mantras, não atuam, somente no mundo objetivo.  Agem, também, no mundo subjetivo.  Vão do plano físico aos planos mais sutis do universo.
A  palavra sagrada – AUM – emitida, conforme os ensinamentos ocultos, é a maneira mais energética de projetar e propagar as  nossas mais íntimas vibrações.

“Tudo é duplo.  Em tudo há dois pólos contrários”.
É a  quarta lei    do Kybalion, designada pela Ciência Oficial sob a denominação de POLARIDADE. 
Analisando esta lei, verificaram os antigos que entre o pólo positivo e o pólo negativo existe um ponto neutro.   Entre a atração e a repulsão, por exemplo, surge o equilíbrio.  Entre dois termos opostos, o meio termo.  Entre  a  luz  e a  treva, a penumbra.
Daí a conclusão de que, no mundo da terceira dimensão, no mundo da relatividade, a Terra, toda a doutrina ou principio absoluto, radical, extremista não corresponde às condições características dos respectivos seres.  A anarquia, a desordem, a babel em que, sob todos os pontos de vista, a humanidade, presentemente, se debate, não tem  outra  origem  lógica  e  racional.  
Submetendo o homem ao critério desta lei magna, verificaram que o pólo positivo está no seu  SUPERCONSCIENTE,  o negativo, no INCONSCIENTE  e o ponto neutro, o equilíbrio, o meio termo, no CONSCIENTE. 
Diz a sabedoria integral que realmente, só existe o pólo positivo, porquanto, o negativo é, apenas, uma sombra do positivo.
A soma dos positivos representa o TODO  e a dos negativos o NADA.

“Tudo  no  Universo  é  cadência  e  periodicidade”.

“É  a   quinta lei  ou  melhor  a  lei  do  ritmo  universal. 
Em artigo que tive ensejo de publicar, tratando do biorritmo , afirmei que todo fenômeno cósmico ou biológico, universal ou individual é regido pela grande lei do ritmo e do ciclo.  Do cristal ao éter, da matéria mais coesa à mais expansiva, do infinitamente pequeno ao infinitamente grande, do elemental ao homem, nada se exime á lei inevitável e onipotente, que é a conseqüência contínua de duas forças opostas ou contrárias, de uma ação que produz uma reação equivalente.  
Todos os fenômenos físicos ou psíquicos, em última analise, são manifestações rítmicas e cíclicas, tempos de atividade e de inatividade (mavántara  e  pralaya)  série de compassos,  ondas de vibrações.

“Toda  a  causa  tem  um  efeito  e  todo o efeito, uma causa”. 
É a sexta lei que os santos gurus indianos designam   sob o nome de CARMA.
O presente é fruto do passado e semente do futuro. Deste aforismo podemos concluir que não existe acaso e que todo o homem goza da faculdade de traçar  o seu próprio destino.
A lei da causalidade, como é também conhecida, é o alicerce da EXPERIÊNCIA  e, portanto, de toda a sabedoria integral.  Dela com efeito, resultam as teorias, da reencarnação e da evolução, finalidade da vida.


“Em tudo existe um princípio masculino e um princípio feminino”.
É a sétima lei do Kybalion.  É a lei dos sexos.  Não no sentido material de instinto de procriação, mas  na  acepção metafísica que exprime essa dualidade de elementos  opostos,  porém análogos ou semelhantes, que se atraem, giram em torno uns dos outros, unem-se e como que se completam, em todos os planos de universo manifestado.
É esta suprema lei que nos conduz a concepção do  GRANDE ANDRÓGINO , isto é, a união da SUPERCONSCIÊNCIA  com a INCONSCIÊNCIA,  da RAZÃO  com o INSTINTO ,  do ESPÍRITO  com  a  MATÉRIA,  produzindo a CONSCIÊNCIA,  o EGO,  o verdadeiro HOMEM. 

São estas as sete leis do Kybalion,  síntese esotérica dos conhecimentos religiosos, filosóficos, científicos, os três caminhos que levam o INICIADO ao templo da VERDADE, sabedoria integral, transmitida pelos atlantes aos ameríndios e por estes aos povos do Oriente Asiático.
Foram tratados, rápida e sumariamente, porém, com a mais escrupulosa  fidelidade.

Domingos Magarinos (Gnose  julho 1936)



 


 


 

1 comentários:

Luz*Beija-flor disse...

Obrigada.

Tradutor

Tecnologia do Blogger.

Seguir por E-mail

Seguidores