sábado, 4 de agosto de 2012

AbraxasCom este nome queremos indicar esse conjunto de pedras gravadas, usadas especialmente pelos integrantes da escola de Basílides, conhecidas dos padres e hoje dispersas pelos museus da Europa. São designados com o nome de Abraxas, porque quase todas trazem esse nome. As figuras simbólicas, as palavras estranhas, as aliterações bem combinadas, mostram que tais pedras serviam de talismã. As inscrições são sempre redigidas em grego e, em geral, são uniformes. Lê-se nelas, IAÔ, Sabaoth, Adonai, Anúbis, Ísis, Mitras. Nessas pedras, ora estão inscritas as vogais gregas aeêioyô, da direita para a esquerda ou vice-versa; consoantes sem significado; sílabas incompreensíveis; palavras indecifráveis, derivados do grego, do copta, do hebraico, do siríaco, longos vocábulos que se podem ler começando indiferentemente da direita ou da esquerda, como ABLANATHANALBA; frases vazias de sentido. Ora representam figuras nuas em posturas eróticas, personagens simbólicas, por exemplo, uma cabeça de galo, com braços e bustos humanos, pernas formadas por duas serpentes, de escudo numa das mãos e, na outra, um açoite; ou então, uma mulher sem cinto, com uma estrela na cabeça, um açoite na mão esquerda, a direita apontando para a boca, sentada numa flor de lótus, símbolo freqüentíssimo da fecundidade.

Essas pedras são de inestimável valor para sondar a psicologia gnóstica. Esses talismãs enigmáticos revelam o estado de exaltação que jaz sob a especulação da gnose, esse estado de ébrio extravio espiritual, em que toda palavra assume valor de rito; invocação estranha e paradoxal, um meio de infalível comunicação com o divino. Além do mais, essa promiscuidade de divindades invocadas, esse estranho acasalamento de palavras de origens várias demonstram um estreito parentesco da gnose basilidiana com os sistemas solares e astronômicos, o judaico e a religião egípcia. As cabeças irradiantes de homem, galo, leão, serpente, o açoite, Mitra fazem pensar nos cultos solares: Sírio, os sete planetas, a lua crescente, o Zodíaco revelam elementos astrológicos; o escaravelho, Ísis, Anúbis são de derivação egípcia; as palavras Sabaoth, Gabriel, Adonai denotam dependência ao judaísmo. O elemento cristão é o que menos transparece nessas manifestações de uma religiosidade mórbida; o cristianismo quase se sumia nesse oceano de variedades sacras, fundidas num vasto e ardente sonho de sincretismo.

Porém, para dar uma idéia mais precisa desses Abraxas, descreverei alguns, tais, quais se reproduzem na obra de Matter. Um desses representa, de um lado, um Pandemônio de quatro asas, com os ramos místicos e uma espécie de chave ou emblema de mistério, levemente indicados. A cabeleira é estranha; compõe-se de folhagem, de dois cornos, símbolos de Amon ( o Sol), e de sete raios de luz, figurando os sete planetas. O caranguejo da mão direita recorda a constelação homônima. A serpente que morde a própria calda, feita pedestal, e que encerra em si, ordinariamente, o nome de IAÔ, ou qualquer símbolo sideral, desta vez está sozinha. A imagem isolaga da serpente era claríssima para a inteligência do gnóstico. Do outro lado, está gravado um Harpócrates, símbolo da peregrinação do espírito, sentado no cálice de um Lótus, com o dedo na boca e um duplo açoite na mão. O valor simbólico desta pedra é notabilíssimo ( está na edição de Gronovius e das Geminae antiquae de Leonardo Agostini). Harpócrates é o Sol em seu estado de debilitamento, no inverno, quer dizer, a alma, ao findar sua carreira terrestre, no ponto de renovar-se ex-integro. O lótus, onde está sentada a divindade, é, concomitantemente, símbolo do Nilo e da vida, inexaurível nas suas alegrias, como a fonte do venerando rio.

Outro abraxas representa uma mulher, nua até a cintura, que parece implorar insistentemente, assinalado favor de um jovem de cabeça irradiante, o qual a ouve com evidente atenção. O simbolismo aí é claro; o indivíduo é o Cristo, o Hórus-Sol, a quem a alma, dolorosamente regressa dos sofrimentos do mundo, pede que seja reconduzida ao pleroma, de que se afastara. A mulher é a alma redimida e sua parcial nudez simboliza o seu parcial desprendimento da terra.

Um terceiro representa Harpócrates saindo do lótus, com a cabeça irradiante, circundado pela lua e duas outras estrelas. O reverso traz gravada a serpente mordendo a cauda. No círculo resultante estão palavras em hebraico. Sabaoth, Michael, Adonai, etc.; em torno, outras palavras de que se colhe esta legenda; ille (Ialdabaoth) rebellavit (sed) tu pater es nobis Abrasach; - Ele se rebelou, mas tu és para nós o pai Abrasach - (tu te manifestaste mediante o Logos unido ao nome de Jesus).

Em outro, enfim, se vê Harpócrates apontando para os lábios de onde saiu a revelação; tem na mão uma coroa, a coroa do triunfo para os pneumáticos, que a compreenderam sabiamente.

Outro abraxas, pertencente a coleção Denon (Matter t. II c. 1), representa, de um lado, Anúbis, guarda dos dois horizontes, inferior e superior, guia das almas nas regiões ultra-terrenas, com cabeça de cão (guarda), com o caduceu (Guia), com a palma. Do outro, um indivíduo nu, em que se figura a alma do defunto, com um cutelo na dextra, emblema do sacrifício, uma chama símbolo da purificação; tem na fronte o sinal da ciência dos mistérios, a que se deve o destino feliz do defunto, destino expresso por uma serpente (a vida que o Ophis-Cris comunicou aos pneumáticos), por uma cabeça de gavião, pelo Leão e pelo escaravelho.

Em outro, Anúbis pesa as ações da alma, figura num pássaro. Em outro, enfim, está escrito o nome de Judas (para alguns gnósticos, o único discípulo que compreendeu o mestre e ajudou a cumprir-se a sua obra) e figura-se um homem com a cabeça de cão, ao lado da qual vêem gravadas letras gregas que Matter interpreta como as iniciais desta frase: “Jesus Cristo, o Senhor Deus, Logos, tem sido para nós a vida e a palma da vitória”.

Todos esses Abraxas (é inútil exemplificar com outros) correspondem, assim, a um conceito fundamental. Querem, sob símbolos conhecidos de religiões diversas, indicar a evolução da alma que ascende, através da contemplação da vida misteriosa, ao seu completo renovamento.

Matter reproduz 102 abraxas da mais variada origem; mas todos concebidos segundo uma idéia uniforme. Eles são de grande auxílio para verificação das doutrinas gnóstica expostas pelos Padres da Igreja.

E. Buonainti – Gnose dezembro 1936

1 comentários:

Luz*Beija-flor disse...

uma chama símbolo da purificação; tem na fronte o sinal da ciência dos mistérios, a que se deve o destino feliz do defunto,

Abrangente seja a LUZ em todos nós, que morram os nossos egoísmos, que sejam eles muitos defuntos...

Tradutor

Tecnologia do Blogger.

Seguir por E-mail

Seguidores